Em destaque

Tarot Egípcio para o Mundo – O Imperador

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 17 de janeiro até 23 de janeiro 2021)

por Marco Antonio H. de Menezes

 O IMPERADOR

Temos aqui a imagem de Amon-Re ou Amon-Rá, deidade egípcia que é uma fusão de Rá/Re com Amon. Amon-Re é a imagem do protetor, do pai, daquele que mantém a ordem, daquele que distribui a justiça e daquele que é a grande autoridade. Ele decide com isenção e misericórdia e age com eficiência, pois estas são as suas responsabilidades como aquele que detém o poder sobre todos e sobre tudo.

Esta é a semana que traz energias tais como: mando, êxito, progresso, realização material, força de vontade e capacidade de tomar decisões. Podem ocorrer situações que favoreçam a realização dos projetos, associações benéficas e o sucesso no trabalho. Entretanto, cuidem-se para que o poder não suba pela cabeça, para que a injustiça não estrague o sucesso, para que o despotismo não impere, para que não sejam arbitrários e para que não se deixem seduzir pela corrupção.

Esta pode ser uma semana maravilhosa, mas cuidado, porque tudo pode inverter-se repentinamente, por isto podem aparecer pessoas que num momento são úteis e depois tornam-se um obstáculo ou podem aparecer tanto pessoas úteis quanto aquelas que empacam a nossa caminhada. Podem aparecer oportunidades incríveis e oportunidades que são ilusórias ou pode ser que as oportunidades comecem a tomar um ar de adversidade. O importante é ter o devido equilíbrio para saber qual o papel que desempenhamos no lugar em que nos situamos na vida, pois quanto mais conscientes deste papel, menos sujeitos estamos a erros, mas nem por isto estamos mais isentos de testes. O poder pode corromper aquele que não avalia corretamente o valor da posição que ocupa. O poder presenteia quem entende que está ali para administrar algo que não é seu, que não lhe pertence, que lhe é dado apenas para exercê-lo até que outro seja capaz de fazer o mesmo num futuro qualquer.

O poder não pertence a ninguém, mas pode ser emanado para todos e trazer frutos positivos a todos. Quando não nos deixamos corromper pelo medo de perder o poder ou pela vontade de sermos mais do que já somos (mas sem estarmos preparados), nós estamos em paz, somos isentos em nossas decisões e temos misericórdia em nossos corações.

Trabalhar com a energia do Imperador nesta semana é trabalhar com a conscientização das contingências, das regras e das restrições. Nesta semana as pessoas podem aprender a perceber o que as nutre, o que as faz crescer, o que está assegurado, o que as faz sentirem-se estabelecidas e o que as limita. A vida material e tudo o que a representa está no seu ponto mais iluminado e é preciso que seja entendido pelas pessoas como lidar com tudo isto sem que se volte contra si. O poder de criar estará mais forte durante esta semana, permitindo que sejam criadas condições materiais mais elevadas, mais seguras, mais estáveis e com bases mais fortes.

Um bom exercício para esta semana é a percepção de como nós exercemos o poder que temos nas nossas mãos e o quanto isto tem sido positivo para gerar algo benéfico não só para nós, mas para o mundo que nos cerca. Será que temos exercido nosso poder com vontade? Será que temos nos anulado frente ao poder dos outros? Será que temos esmagado os outros com o poder que exercemos? Será que temos consciência do poder que temos em nossas mãos? Será que temos ajudado os outros a tomarem consciência de seus poderes?

Que seja uma semana poderosa para todos nós e que aprendamos a conversar melhor com o imperador que habita em cada um de nós.

Inté!!!

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – A Persuasão

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 10 de janeiro até 16 de janeiro 2021)

por Marco Antonio H. de Menezes

 A PERSUASÃO

A simpática deusa leoa Sekhmet (deusa da guerra, da medicina e da vingança) é a senhora dos mensageiros da morte: traz as doenças e derrama o sangue dos inimigos do Sol. Ainda bem que é uma deusa que também traz a cura, desde que saibam fazer uso da bondade e não da violência. É uma deusa que trata bem aqueles que a tratam bem.

Sekhmet nunca foi uma deusa muito tranquila e não é fácil aplacar a sua ira e a sua sede por sangue. Portanto, se nós queremos uma semana que nos traga algo muito bom, comecemos por fazer da educação e da disciplina nossos trunfos, caso contrário, podemos criar chifres em cabeça de cavalo. Tentemos conter nossas iras, nossas imprudências, nossas revoltas improdutivas e nossa eterna busca por satisfação.  Que saibamos dominar nossos instintos, direcionar nossas forças e perceber a potência da nossa energia.

Ok, agora que já sabem o tamanho do rugido de Sekhmet, que tal usarmos a inteligência no lugar da força bruta? Entendam que esta pode ser uma semana para trairmos e sermos traídos (e aqui cabe qualquer tipo de traição, ok?!), para reconhecermos que podemos ser ciumentos, que podemos ser resignados e superarmos os obstáculos e as dificuldades e que podemos ser penalizados, inclusive pela perda de amigos. Então vamos aproveitar esta semana para aprendermos o controle das circunstâncias, usando a nossa energia para trazer vitalidade e rejuvenescimento, além de aproveitarmos este período para trazer novos amigos para a nossa vida. Se soubermos domar o leão selvagem que habita nosso interior, nada nos tira do centro e nada nos atribula.

No lugar de armar os espíritos, tentemos estender as mãos em sinal de paz. Deixemos claro que estamos interiormente em paz, pois é assim que conquistamos condições para fazer acordos, para aplacarmos os ânimos e para desfazermos más intenções. A tarefa da semana parece difícil? Tente abrir, com as duas mãos, a boca de um leão consciente e faminto sem ser atacado por ele… Isto sim é difícil!

Excelente semana!!!

Fui persuasivo?

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

PS(2): a carta apresenta um erro no nome.

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – O Apostolado

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 03 de janeiro até 09 de janeiro de 2021)

por Marco Antonio H. de Menezes

 O APOSTOLADO

Esta é uma carta que mostra Ptah (o deus egípcio dos artesãos e dos arquitetos, de um ponto de vista mais básico. Mas é, também, uma entidade que precede todas as outras, portanto é um deus criador. Ele concebe o mundo pelo Pensamento de seu coração e dá vida por meio da magia de sua Palavra. Ele está por trás de tudo aquilo que constitui a natureza, pois tudo foi criado segundo o seu comando.) pendurado entre dois mundos, pois ele morre para fecundar. Ele está pronto para se sacrificar e para ensinar aos homens como utilizar tudo o que ele criou. Ptah ensina que o criador é o que governa e o que serve, o que salva e o que é vítima. Quando o círculo de uma criação está completo é preciso morrer para renascer num novo patamar, numa nova etapa, num nível superior.

E lá vamos nós para mais uma semana de sacrifícios. Mas nem tudo são perdas, principalmente se o que se deseja é restaurar o equilíbrio!

Cada coisa no Universo ocupa o seu devido lugar, muitas vezes não entendemos facilmente esta harmonia e torcemos para que as coisas sejam eternas, porém a eternidade está sempre favorecendo a mudança. Quando perdemos algo é para conseguirmos criar espaço para novos padrões em nossa vida. Nem sempre é fácil aceitar as perdas e nem sempre é fácil aceitar as mudanças e nem sempre é fácil olhar para a vida naqueles momentos mais complicados e enxergar nela oportunidades. Aqueles que perdem seus entes não entendem a perda facilmente, aqueles que perdem seus amores não entendem a perda facilmente, aqueles que perdem sua riqueza não entendem a perda facilmente, aqueles que perdem seu abrigo não entendem a perda facilmente e aqueles que perdem tudo ao que se apegaram também não entendem a perda facilmente.

Esta pode ser uma semana para ficarmos mais atentos, pois talvez não percamos algo, porém pode ser que enxerguemos, na dor e na perda do outro, aquilo do qual devemos nos desapegar, aquilo que já completou o seu ciclo e teimamos em não deixar seguir o seu curso natural.

Não somos perfeitos, mas talvez descubramos o quanto podemos aperfeiçoar a nossa vida quando nos apegamos menos às dores e mais à compreensão de que algo novo precisa ser trazido para a nossa vida.

Pode ser que tenhamos que aprender a amar algo que começa a ser mais importante: a vida, uma nova atividade, um ser, um prazer, um momento, um perdão antes negado, um agradecimento não dito, uma declaração necessária e sincera, uma palavra amiga, um gesto de apoio e/ou um pedido de paz.

Do que deveremos nos desapegar para transformar os nossos próximos passos numa homenagem positiva àquilo que foi embora? Do que deveremos nos desapegar para dar espaço a uma iniciativa criativa que pode beneficiar não só a nós mesmos como a outros? Às vezes, um sacrifício desencadeia um objetivo que estava latente em cada um de nós.

Será que nesta semana poderemos trazer uma energia mais fecunda para a nossa vida e daqueles que nos rodeiam? Seremos capazes de aceitar o desapego de algo como necessário para podermos criar um espaço mais positivo dentro do mundo?

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Em destaque

Carta cigana para o ano de 2021 no mundo – Coração

Carta cigana para o ano de 2021 no mundo.

“O Coração”

Por Marco Antonio H. de Menezes

Em 2020 a carta do baralho cigano que saiu foi a Cruz (https://astroreikitarot.blogspot.com/2019/12/a-cruz.html). Foi um ano de provações, de batalhas, de enfrentamento de carmas e de resiliências.

Neste ano de 2021 a caravana cigana traz uma energia totalmente diferente, pois o Coração passa a ser a energia presente.

Com esta carta nós aprendemos a ouvir o nosso coração e ao ouvi-lo podemos aprender a compartilhar as nossas emoções. Quando deixamos esta voz interna atuar sobre nós, podemos sentir o sussurro da afetuosidade, do carinho, dos sentimentos deslizarem por entre nossas vidas. É como uma água refrescante que, aos poucos, envolve nossas almas com sua doçura, com sua delicadeza, com sua nobreza. Nós podemos aproveitar a energia desta carta para expressar o amor, o carinho, a atenção, a dedicação e as emoções. Podemos deixar que toda esta energia amorosa nos leve a um patamar mais elevado de nossas almas, celebrando com a vida e a vida.

Esta carta também nos adverte que não é fácil lidar com as emoções, principalmente se deixamos de lado o amor, se não sabemos valorizar a troca, o compartilhamento e a doação. A vida é uma dádiva e saber amá-la não deveria ser difícil, mas não é bem assim que tudo ocorre no mundo humano. Quando não sabemos lidar com o amor e com o som do coração podemos ser tomados pela ira, pelas emoções descontroladas, pelas tempestades emocionais, pelos desvarios e pela dor que origina o despedaçamento dos corações. A poesia torna-se áspera, dura, difícil de ser entoada, dissonante e sem vida. O mundo sem o coração e sem o amor é o mundo dos desgraçados, daqueles que perderam a graça, daqueles que não conseguem valorizar nem a si mesmos, daqueles que declaram guerra ao outro, daqueles que perderam a noção de identidade, daqueles que perderam a empatia, daqueles que temem encarar o espelho, daqueles que não suportam nem a presença da solidão por temerem ouvir a verdade que ela pode significar. Um mundo sem coração é um mundo para corajosos que perderam o sentido da batalha, que perderam a noção de suas forças, que perderam a humanidade que havia em suas veias, que perderam o brilho dos olhos diante da inocência, que perderam o contato com os limites, que perderam, enfim. O mundo sem coração não admite derrotas, não admite mudanças, não admite aventuras, não admite a expansão de horizontes, não entende o tédio da repetição exaustiva de tantos erros, não admite que a alma necessita descansar de tantas batalhas insanas, não admite nem mesmo que a vida seja uma dádiva e que o coração seja a melhor bússola quando perdemos o contato com a alma. Quem não ama, não mata, simplesmente não sente e, por isto, tudo dentro de si já não possui vida e a vida externa não representa mais nada e nem mesmo pode ser chamada de vida. Quem não ama, não mata, pois já está morto e apenas contamina a vida dos outros com sua morte.

O coração não é reino escravo de ninguém, é apenas a fonte do sentimento mais natural que possa habitar em cada ser, porém cada ser sabe que sentimento habita seu coração e o que faz com este sentimento e se este sentimento o está matando ou o está alimentando com vida.

Num ano com uma carta tão majestosa como a do Coração, a humanidade precisará aprender a amar a vida. Talvez aprenda a amar a vida atravessando estações dolorosas, estações que representam a perda, o egoísmo, a resistência mal calculada, o desprezo pela empatia, a ruína, o desamor, a descrença, o desamparo, a negligência, a ganância, o ódio, o apego, a desavença, a tristeza, o lamento, o choro e a morte. Entretanto, se a humanidade possui um coração e se ela aprendeu com a Cruz a amar cada centímetro de sua vida, cada mínimo palmo de sua alma, não desperdiçando um único minuto de seu tempo com reclamações, mas compreendendo que cada momento é a chance de renovar as esperanças e de agarrar as oportunidades que a vida abre, este pode ser um ano luminoso, cheio de vida, pleno de condições que atendam às melhores expectativas. Com o Coração não há barreiras que não possam ser superadas se há amor, se há dedicação, se há sentimento, se há empatia, pois a cura começa quando acreditamos que a doença originou-se de um desvio, de um erro e que esta origem deformada pode ser corrigida e pode ser tratada.

Não é um ano para milagres, mas é um ano para acreditar que somos o milagre, que somos melhores do que poderíamos pensar. Não é um ano para cegueiras, mas para começarmos a enxergar o que nossa insensibilidade impedia-nos de entender.

Pode ser um ano de grandes reconciliações, pode ser um ano de atos diplomáticos positivos e um ano de retomada do entendimento entre as partes, desde que se entenda que só a união pode fazer com que tudo melhore.

Contudo, o Coração pede coragem para encarar o trabalho árduo que é reconstruir o que foi derrubado. O Coração não fala de atos mágicos, mas da crença na magia do amor, não como nos contos mais fantásticos, mas como deve ser vivida na realidade, aprendendo a respeitar o próximo como a nós mesmos. O respeito pela vida deveria ser algo compreendido por todos, pois todos estão aqui celebrando a vida e por causa da vida.

Portanto, este ano é para a humanidade reaprender a amar, reaprender a valorizar a vida, reaprender a ter empatia, reaprender a respeitar, reaprender a se valorizar, reaprender a compartilhar, reaprender a viver…

E mais uma vez sejamos bem claros: o ano do Coração não é um ano que chega doce, pois se não houver doçura nos corações, talvez seja pelo amargor que reside em nossas almas que reaprendamos a ser mais amáveis. Estejamos prontos para batalhas que ensinarão a cada um de nós como valorizar o amor, a união e a vida. O Coração chega neste ano como um professor exigente, mas pleno de oportunidades para quem percebe que os obstáculos a serem postos em nossos caminhos são ferramentas úteis para limparmos de nossos corações e almas tudo o que nos tem matado, tudo o que nos tem distanciado da vida, tudo o que nos leva à desunião, tudo o que nos torna egoístas e tudo o que nos faz perder o poder da reconciliação.

Que o Coração possa ser uma inspiração para o teu coração voltar a irradiar vida, amor e união. Reconcilie-se com o Criador que você sempre é!

Um excelente ano do Coração para você, meu caro viajante das estrelas!

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – A Transmutação

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 27 de dezembro até 02 de janeiro de 2021)

por Marco Antonio H. de Menezes

 A TRANSMUTAÇÃO

Esta carta mostra Tefnut ou Téfnis (deusa da umidade e das nuvens, da generosidade e das dádivas, a que mata a sede dos mortos e irmã/esposa de Shu) que traz o orvalho matinal, responsável por acolher a luz e o calor do Sol, que é entregue aos seres que dele se alimentam e, consequentemente, podem reproduzir-se. É a ordem que surge do caos e a vida que se multiplica.

A semana pode ser muito boa, pois esta é uma carta que traz triunfo, boa sorte e poder. Podemos finalizar com sucesso o que já foi iniciado. Tudo parecerá favorável e tudo poderá ser conduzido com o devido e consciente controle. Há satisfação, plenitude e perfeição.

Esta carta traz muita proteção de amigos e facilidade para superar obstáculos. Tudo se mostra muito mais brilhante e, por isto, esta pode ser uma semana de revelações e uma semana para trazer à tona fatos que até aqui estavam obscuros. Num período tão positivo é preciso que tomemos cuidado para não nos distrairmos. Também é uma semana para dar atenção aos detalhes dos projetos, seja no planejamento, seja na execução, pois assim evitamos falhas que podem destruir nossos esforços.

O mundo convida-nos para celebrar com ele, porém estamos sujeitos a perdas e a qualquer sentimento de inferioridade que esteja presente em nós.

A energia desta carta irradia a mensagem que (se bem aproveitada por quem a entende e a quer usar) nos alerta para valorização do movimento, da emoção, da meta de vida e da individualidade. Ela representa a aliança entre o criador e a criatura. Com esta energia podemos mudar, sermos diferentes, modificarmos alguma coisa e transgredir, pois a escolha é nossa. A nossa natureza criativa e expansiva estará mais ativa nesta semana.

Que sejamos capazes de nos perguntar o que podemos fazer para trazer o êxito, o sucesso, a concretização de nossos melhores projetos de vida e realizações positivas para as diversas áreas de nossas vidas.

Esta é uma carta benéfica demais, expansiva demais, que traz a glória e o poder de empurrar para longe toda negatividade. Nós estamos prontos para ancorarmos esta energia em cada momento de nossa vida numa semana como esta? Se estamos, que não percamos tempo com distrações e coloquemos em andamento o que desejamos ver realizado e o que desejamos ver triunfar em nossas vidas numa semana como esta.

Talvez, aqui, possamos plantar as sementes que realmente queremos ver brotar para o próximo ano. Usem esta energia para trazer o que há de melhor. Vai ser necessário para a década que está para iniciar em 2021.  

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – O Apostolado

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 20 de dezembro até 26 de dezembro de 2020)

por Marco Antonio H. de Menezes

 O APOSTOLADO

Esta é uma carta que mostra Ptah (o deus egípcio dos artesãos e dos arquitetos, de um ponto de vista mais básico. Mas é, também, uma entidade que precede todas as outras, portanto é um deus criador. Ele concebe o mundo pelo Pensamento de seu coração e dá vida por meio da magia de sua Palavra. Ele está por trás de tudo aquilo que constitui a natureza, pois tudo foi criado segundo o seu comando.) pendurado entre dois mundos, pois ele morre para fecundar. Ele está pronto para se sacrificar e para ensinar aos homens como utilizar tudo o que ele criou. Ptah ensina que o criador é o que governa e o que serve, o que salva e o que é vítima. Quando o círculo de uma criação está completo é preciso morrer para renascer num novo patamar, numa nova etapa, num nível superior.

A carta irradia para esta semana a necessidade de fazermos sacrifícios. Se há algo que funciona numa semana como esta é entender que em certos momentos o melhor é mudar os nossos pontos de vista, repensar nossas atitudes, aceitarmos que está na hora de fazer alguma mudança em nossa vida, mas uma mudança que nos leva a superar e a desapegar de tudo o que não vale mais. Pensem numa pessoa que quer subir uma escadaria de mais de 100 degraus, mas carregando pesos inúteis, que só tornam mais difícil a tarefa, que só farão com que a pessoa perca o equilíbrio e tudo aquilo a que apega. Esta é a tônica da semana: podemos atingir uma meta se nós aprendermos a planejar, se nós entendermos o que precisa ser deixado de lado. Se queremos fazer desta semana, uma semana construtiva, que entendamos que tudo o que nela for desenvolvido será em prol de um futuro melhor. Tudo o que sacrificarmos, tudo o que perdermos nesta semana, poderá ser o necessário para que consigamos atrair ganhos melhores para o nosso futuro. Tudo o que doarmos de coração, será o ponto de abertura para a chegada de uma nova e positiva fase para cada um de nós.

Esta é a semana das perdas, dos testes, das provações, do abandono dos sonhos delirantes, do abandono da visão dos projetos utópicos, do fim das hesitações e de tudo aquilo que ficou na promessa.

Quanto mais resistirmos a desapegar-nos daquilo que é inútil para construirmos uma vida melhor para nós e para o mundo que nos cerca, mais contrariedades, mais angústias e mais quedas teremos que encarar.

Aqui eu usarei a afirmação que está no livro, porque são palavras muito sábias: “mesmo que o Sol te fatigue de dia e a Lua te entristeça à noite, não descuides das obrigações.”

Recomendação básica: é inútil resistir às energias transformadoras da vida, porque elas nunca se dobrarão diante da tua vontade, mas elas sempre te convidarão a entender que há uma vontade maior por trás de tudo se você confiar e aceitar que está na hora de dar um salto e que para dar este salto é preciso desapegar-se (queira ou não!) de algo.

O melhor aspecto desta semana é que podemos aprender a colocar os pés no chão (parece um paradoxo, quando vemos que a imagem mostra um ser pendurado), ou seja, esta é uma semana para sermos mais realistas. Se temos uma teoria, que ela seja bem fundamentada. Se temos um plano, que ele seja funcional. Se estamos apresentando um projeto, que ele seja prático e objetivo. Atos concretos, atividade no lugar da passividade. Lembre-se de que Ptah é um deus egípcio que torna o pensamento em palavra, ou seja, ele cria e ele concretiza, ele comanda e tudo se torna. Seja como Ptah, aprenda a transitar da passividade para a atividade, do sonho para a concretização dele. Quando estamos oscilando e hesitando e nada fazemos, a vida faz a sua parte para que acordemos e entendamos o que nos cabe fazer naquele momento, sem viagens, sem elucubrações, sem delírios, sem falsas esperanças…

Que nesta semana você seja capaz de aprender, ensinar e instruir e de sacrificar e esperar. Quem espera não fica passivo, mas observa claramente tudo o que precisa ser feito e tudo o que está acontecendo antes de partir, de maneira bem realista, para a ação.

Aqui pode ser o início de uma grande mudança para a tua vida. Você está pronto? Ou quer que a vida desenhe?

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – O Mago

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 13 de dezembro até 19 de dezembro de 2020)

por Marco Antonio H. de Menezes

 O MAGO

Nesta carta vemos o deus egípcio Thot, aquele que, de forma prática, transforma as imagens dos sonhos e das fantasias em realizações. É ele quem mede e conta o tempo e o espaço, cabendo a ele, também, organizar os sons em palavras e as palavras em escrita.

Esta carta representa a inspiração divina, o sopro inicial que a tudo inspira, a unidade a partir da qual tudo é criado, o ponto inicial de alguma ideia, a força criativa e aquilo que está entre o céu e a terra e entre o superior e o inferior. Ela representa a nossa capacidade de reconhecer as ferramentas que dispomos e como usá-las. Ela é a manifestação da nossa habilidade para cultivar, conduzir e governar. Esta é uma carta que representa o início da instrução de alguém, uma instrução cuidadosa, lenta, que vai moldando cada etapa com muita paciência e muito apuro. É preciso entender que nem sempre é bom queimar etapas se estamos desenvolvendo algo, pois cada etapa pode ser a demonstração clara do domínio adquirido, da maturidade alcançada e do conhecimento que possuímos para que seja atingido o ápice e a realização de um dado projeto.

Esta é uma semana para todos aqueles que desejam realizar e que desejam transformar, de maneira prática, a realidade circundante. É a semana para conscientizarem-se do poder que possuem em suas mãos.

Temos uma energia muito positiva para quem quer agir, para quem quer dar forma a algo e para quem quer demonstrar domínio, habilidade, conhecimento, vontade, autodomínio e poder. Quanto mais consciente a pessoa estiver dos seus potenciais, mais fácil será a concretização de algum projeto.

Por ser uma semana de muito poder, é preciso tomar cuidado com a inveja, com os falsos amigos, com a vaidade, com o exibicionismo, com a falta de atenção aos detalhes e com a falta de escrúpulos. Faz-se necessário entender que tudo o que for feito e concretizado será a expressão clara daquilo que se pensa e isto pode ser uma faca de dois gumes.  

As pessoas poderão ter completo domínio sobre os obstáculos materiais e iniciarem novas relações sociais, além de colocarem em andamento iniciativas mais felizes e de contarem com a ajuda de amigos fiéis.

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Em destaque

Terra!

 Terra!

 Ame-a ou deixe-a ficar do jeito que está…

Por sua conta e risco, tá?!

Por Marco Antonio H. de Menezes

Comecemos por aqui… se você quiser!

Antes de entrar nas interpretações propriamente ditas, é preciso trazer alguns esclarecimentos.

A cada duzentos anos, aproximadamente, Júpiter e Saturno mudam de elemento nos seus encontros/conjunções (conjunção é um aspecto que, na Astrologia, ocorre quando dois ou mais eventos astrológicos – planetas, estrelas ou pontos móveis importantes do mapa – estão a uma distância exata ou próxima de 0 grau). Em virtude deste movimento entre Júpiter e Saturno, as conjunções entre eles ocorrem por duzentos anos nos signos do elemento Fogo (Áries, Leão e Sagitário) e depois ocorrem por duzentos anos nos signos do elemento Terra (Touro, Virgem e Capricórnio) e, em seguida, ficam por duzentos anos em signos do elemento Ar (Gêmeos, Libra e Aquário) e, por último, ficam mais duzentos anos em signos do elemento Água (Câncer, Escorpião e Peixes).

Estas conjunções entre Júpiter e Saturno criam um ciclo de aproximadamente 800 anos que se repetem infinitamente. Cada vez que estas conjunções mudam de elemento tudo parece mudar, uma nova agenda passa a dominar a mente, a cultura, o entendimento e a maneira de a humanidade conduzir a sua vida sobre este planeta. E durante estes 200 anos de conjunções entre Júpiter e Saturno nós presenciamos miniciclos de 20 anos, pois este é o tempo aproximado para que Júpiter e Saturno entrem em conjunção novamente. Quando o ciclo de duzentos anos está próximo de terminar, ocorre um aviso (é chamado de mutação), pode ser 40 anos antes do término da passagem da conjunção por um dado elemento. Este aviso é dado pela conjunção ocorrendo inusitadamente num signo do elemento seguinte. Seguem dois exemplos “recentes”:

1) em 1802 ocorreu uma conjunção de Júpiter e Saturno em Virgem, um signo de Terra, no momento em que ainda estava sendo finalizada a passagem deles pelos signos do elemento Fogo. Somente em 1842 seria iniciado o ciclo de conjunções em signos do elemento Terra, que está terminando agora em 2020 (em menos de duzentos anos!).

2) em 31 de dezembro de 1980 ocorreu a primeira conjunção de Júpiter e Saturno num signo de Ar (Libra) dentro do ciclo das conjunções ocorrendo em signos do elemento Terra. Esta conjunção ocorreria novamente, em Libra, em março de 1981 e em julho de 1981 (coincidentemente, no intervalo entre estas duas conjunções vieram à tona as primeiras notícias sobre AIDS/SIDA).

Particularmente, considero que os eventos desenvolvidos durante os momentos em que “inesperadamente” a conjunção entre Júpiter e Saturno ocorre em um elemento diferente daquele que deveria ocorrer poderão ser retomados quando for iniciado o novo ciclo de elementos. Para exemplificar: de dezembro de 1980 até maio de 2000 o mundo estava sob a energia da conjunção Júpiter/Saturno que ocorreu em Libra, mas Júpiter e Saturno ainda estavam dentro do período das conjunções que deveriam ocorrer em signos do elemento Terra. Tudo o que aconteceu no mundo neste período poderá ser retomado, ainda que num nível adequado ao período em que vivemos. As histórias que ocorreram naquele momento, mais do que em outro momento, serão muito importantes para o que veremos neste novo ciclo de Júpiter/Saturno fazendo conjunções entre si em signos de Ar. Podemos ver um bom exemplo disto no caso da AIDS/SIDA, que foi um verdadeiro flagelo e para a qual ainda não há vacinas. Coincidentemente (existem coincidências?), o teste usado para o coronavírus foi desenvolvido para a AIDS/SIDA. A AIDS/SIDA mudou radicalmente a maneira como as pessoas se relacionavam a partir dali. Camisinha, drogas, objetos de uso compartilhado, dificuldade para saber quem estava ou não com AIDS/SIDA. Quantas pessoas perderam o emprego por conta desta doença ou por ser gay /lésbica?! Com as devidas proporções e adaptações, não é o mesmo que está ocorrendo agora? Mas vamos mais longe, porque além da AIDS/SIDA outras coisas aconteceram neste período.

Para quem não sabe ou não se lembra, nós tivemos neste período o assassinato de John Lennon (pouco antes da conjunção ocorrer em 31 de dezembro de 1980), a posse e o atentado a Ronald Reagan, o atentado a João Paulo Segundo, a posse e a morte do presidente da Argentina e o assassinato de Anwar Sadat. E tem mais uns detalhes interessantes: Até 1983, Saturno e Júpiter não apenas fizeram 3 conjunções em Libra, como ainda fizeram conjunção (em tempos distintos) com Plutão em Libra, além de Júpiter entrar em Sagitário quando ali ainda estavam Urano e Netuno. E mais, durante esta fase de 1980 até quase meados da década de 80, todos os planetas chegaram a se comprimir num espaço muito pequeno entre Libra e Capricórnio ou entre Libra e Sagitário, ou seja, algo muito parecido com o que temos hoje em dia. Ahhh!!! E esta fase de encontros foi finalizada com a passagem do Nodo Norte em Gêmeos (iniciada com Nodo Norte em Leão). Ao olharmos para o que estava acontecendo no mundo naquela época podemos ter uma noção do que pode nos esperar nesta fase que está sendo iniciada agora com a conjunção de Júpiter/Saturno. Uma curiosidade, em 1981 Charles e Diana casaram-se (o que foi considerado o casamento do século) e este casamento foi televisionado para todo o mundo (eu confesso que eu assisti e acordei cedo porque toda a família fez isto!). E justamente agora acabaram de exibir uma série (que não assisti!) que está abordando aquele período e posterior da relação entre os dois. Muito do que ocorreu naquele período da década de 80 só agora estará chegando ao seu fim ou só agora poderá ser melhor desenvolvido. Durante esta década nós tivemos a queda do Muro de Berlim, o início dos investimentos na China, a geração yuppie, a assinatura da atual Constituição Brasileira, a década de Margareth Thatcher, o primeiro celular (Motorola Dynatac 8000X), fim da ditadura militar no Brasil, a volta dos anistiados ao Brasil, o aparecimento do Windows (ainda era MS-DOS), Mikhail Gorbachev, Lech Walesa e Solidarność. Se as pessoas prestarem atenção aos fatos, verão que nós tivemos a queda/troca radical dos poderes vigentes (não importa como e por qual motivo). Quase todas estas situações citadas anteriormente ainda influenciam o mundo e estão no centro da evolução política, monetária, cultural e social que estamos para ver acontecer pelos próximos anos. E foi a época da chegada da MTV, que revolucionou o mercado musical do mundo inteiro, com o incremento da indústria de CDs e a projeção e a consolidação de uma geração musical que até hoje ainda é celebrada no mundo inteiro. Se quer saber mais, procure nos anuários da vida ou no wikipedia, ano após ano. Tenho certeza que vai ser divertido e vai ajudar a entender muito do que estamos vendo hoje. É dali da década de 80 e da década de 90 que sai o caldo que influenciará o início desta era de conjunções entre Júpiter e Saturno em signos de Ar. Entendam que não é a volta ao passado, mas é deste passado que retiraremos uma boa parte do material que apontará o nosso futuro. Note que, atualmente, algumas das pessoas mais influentes da área tecnológica e das demais áreas nasceram ou deram os seus primeiros passos nesta fase, a fase de um mundo que começava a mergulhar no uso da tecnologia como algo concreto e não mais uma fantasia de ficção científica. Com esta conjunção em Aquário nós teremos o desenvolvimento de todo estes temas abertos por Libra.

Há muitas coisas interessantes por aqui. Libra é um signo de Ar, mas também é um signo Cardinal como Capricórnio, ou seja, ele é um signo que dá início a algo. Não por acaso, Saturno está bem posicionado quando está em Libra. Este é um signo que nos introduz ao mundo da justiça, do equilíbrio, da harmonia, da hesitação, da dúvida, da sociabilização, do amor e da paz. Libra, como todo signo do elemento Ar, é um signo que valoriza o contato, a comunicação, mas esta comunicação precisa trazer uma harmonia, precisa ser cuidadosa, precisa ser mais justa, precisa ser feita sob bons princípios. Pode ser um signo de pessoas que se magoam fácil quando os seus esforços para trazer algo de bom para a vida do outro não são reconhecidos, podendo ser possessivos e apresentar dificuldade para lidar com as decisões quando elas colocam em risco os seus princípios de harmonia, de equilíbrio e de justiça. Para Libra, o mundo precisa ser mais bonito, mais equilibrado, mais harmônico, mais pacífico e mais justo, mas tudo depende de como as pessoas entendem estes princípios.

Pensando em Libra e questionando o mundo que nos cerca, podemos impor um mundo conforme a ótica libriana ou podemos desenvolver um mundo sob aquela mesma ótica, mas respeitando a natureza dos acontecimentos? E se o mundo não estiver bonito? E se alguém achar que do jeito que as coisas estão não é válido prosseguir? E se alguém decide meter as mãos e passar por cima dos princípios dos outros para enquadrar o mundo nas suas noções particulares de justiça, equilíbrio, harmonia e sociabilização? E se alguém mata alguém porque acha que assim o mundo fica melhor? Para que lado pende a balança de Libra quando o mundo perde o contato com a ética? E se a beleza e o equilíbrio forem artificiais, assépticos, anódinos, insípidos, inodoros porque acreditam que assim fica assegurada a paz? E se nos anulamos em prol de um mundo mais harmônico? Ou seja, será que cabe o questionamento quando nós idealizamos um mundo librianamente pacífico, harmônico, igualitário e justo? A quem cabe decidir o que é melhor para o todo? Quem deu o direito a alguém para decidir o que é melhor para o mundo? Quem deu o direito de sermos conduzidos desta ou daquela maneira? Quem decidiu que a morte de alguns é boa para todos? Quem deu o poder a alguns para decidir os rumos da humanidade? É justo um mundo regido por poucos? É justo um mundo regido por leis que atendem a poucos? Se queremos um mundo mais humanitário por qual motivo só alguns decidem o nosso futuro? Se queremos um mundo aquarianamente mais aberto e amplo, por qual motivo nós nos submetemos a quem está no poder se sabemos que não confiamos neles? Se nós somos muitos e pedimos igualdade, fraternidade e liberdade, por que toleramos que invadam a nossa privacidade com a desculpa de nos proteger dos males que aqueles que estão no poder provocam uns aos outros e a nós mesmos? Somos nós quem odiamos um outro país ou uma outra cultura ou um grupo de seres ou só alguns que querem que nós passemos a odiar a tudo e a todos gerando guerras que alimentam os cofres de poucos? Quem realmente causa a fome, a guerra, a morte e a doença, somos nós ou aqueles que defendem que uns são mais iguais do que os outros? O chamado de Libra para aqueles que se encantam e se deixam levar por aqueles que usam a fachada aquariana para continuar a dominar e a enganar a todos com falsos discursos de salvação e de revolução deveria ser melhor ouvido por todos neste momento, evitando que mais vidas sejam perdidas em prol de um mundo inexplicavelmente faminto e sedento, apesar de ter tudo o que precisa para matar a fome, a sede e ainda ser capaz de curar-se. Libra é justo e Aquário quer um mundo melhor. Mas esta equação fecha? O individualismo que possuímos hoje pode nos levar a um mundo mais justo, harmônico, pacífico e equilibrado?

Para exemplificar os questionamentos acima, eu vi uma notícia interessante: uma grande empresa mundial da área de alimentação vai investir uma enorme quantia de dinheiro para reflorestar e ajudar na redução do aquecimento global. Parece interessante, não?! Muitas pessoas aplaudiram a iniciativa da empresa, alguns gostariam até de trabalhar para a empresa. Mas todos esqueceram que esta empresa é conhecida por esgotar os mananciais de água de todos os países por onde ela anda. Esqueceram que esta empresa envia embarcações para regiões com habitações ribeirinhas e distribui produtos que aumentaram a obesidade mórbida em crianças que deixaram de ser amamentadas por suas mães. Esqueceram que esta empresa está doida para colocar as mãos num dos maiores aquíferos de água doce do mundo, um aquífero que poderia abastecer o planeta por aproximadamente 200 anos. Ou seja, uma empresa atua com um discurso aquariano de salvação do planeta e tenta ser librianamente bela e harmônica aos olhos de todos e que, porém, comunica uma coisa, mas faz outra. Este é o espírito da “lacração”? Ou seja, “quantos ‘likes’ vou garantir com minha iniciativa ideologicamente correta”? Espera-se que possamos usar a energia aquariana de maneira equilibrada para reverter este quadro de pura enganação, de enrolação, de fachada…

Saturno e Júpiter não mudam pessoas. Libra e Aquário não mudam pessoas. Aliás, nada do que vemos na Astrologia muda pessoas. Eles são como rios que você pode ou não aproveitar de maneira positiva ou negativa. Você pode esgotar um rio até o ponto de secá-lo ou de poluí-lo ou pode fazer com que sua força e riqueza de recursos seja bem aproveitada por todos ou você pode ignorar o rio. O rio continuará a percorrer o seu caminho até onde for possível, pois ele é só um rio, quem dá a devida importância a ele são, seguindo o nosso exemplo, as pessoas.

Saturno e Júpiter trazem, juntos, um manancial de energia enorme, mas o uso que daremos a isto depende de nós. O que se sabe, através de constantes observações ao longo de séculos, é que toda vez que estes dois planetas mudam de elemento a humanidade resolve mudar a rota de sua vida. Mas ninguém sabe se será melhor ou não, pois contarão as ações passadas como base para que se construa algo a partir delas. São as nossas bases atuais capazes de suportar uma estrutura mais humana e mais positiva? Nós sempre esperamos que sim! E se esta é a nossa esperança, que sejamos mais do que meros espectadores, ou seja, que passemos a agir e lutar construtivamente por um mundo realmente melhor para todos nós. Afinal, apesar de a humanidade, cada vez mais, estar aprendendo a olhar o mundo de maneira mais passiva e indireta (jornal, rádio, cinema, TV, internet…), nada a impede de seguir o exemplo daqueles (que não são poucos!) que não se acomodaram e lutaram por um mundo melhor para todos e não apenas para si mesmos.

Bem, com este preâmbulo eu faço o link para o tema principal: o que podemos esperar para o nosso futuro após o encontro de Júpiter com Saturno em Aquário neste dia 21 de dezembro de 2020? Que mensagem eles querem deixar em nossa energia?

As Runas falam… ou quase isto!

O sistema oracular que decidi usar, para avaliar o tipo de energia que esta conjunção trará para o mundo, é o das Runas. As runas são utilizadas como um sistema divinatório, mas são letras do alfabeto e são códigos de mensagens. Basicamente, este alfabeto é constituído de 25 runas, cada uma com o seu significado. Quem quiser saber mais sobre as Runas, sugiro que pesquise em livros e na internet, de onde poderão extrair o seu significado. Seria bom que as pessoas construíssem as suas próprias runas, sejam elas feitas com gravação em cristais ou utilizando madeira.

Sem maiores delongas, vamos ao que obtive a partir das Runas.

Antes, é preciso explicar que as Runas podem aparecer na posição invertida, o que pode mudar consideravelmente o significado delas.

A Runa que saiu foi Ansur (ou Ansuz) Invertida.

Ansur é uma Runa muito relacionada, basicamente, com a boca, a comunicação, o conhecimento e a nutrição. É uma Runa que quando tirada na sua posição correta permite o aprendizado, a passagem do conhecimento e da sabedoria, a possibilidade de passarmos por provas e exames, geralmente orais, para atingirmos uma nova etapa, a assimilação dos ensinamentos que são passados oralmente, a ingestão de alimentos, a ingestão de alimentos espirituais e todas as formas de comunicação, mas principalmente a oral. É uma Runa que pode ser associada a Mercúrio, mas considerada passiva, porque em geral tratamos aqui da assimilação muito mais do que da projeção do conhecimento. Se estiver associada com outras runas, pode indicar carreiras que façam da oratória o seu ponto forte e até mesmo adquirir uma forma mais ativa, com a pessoa tendo o dom de influenciar o outro através de sua fala, daquilo que transmite, como um padre, um pastor, um político ou um porta-voz, por exemplo.

Quando Ansur está invertida, duas coisas podem faltar para o mundo: comida e palavra. Se lembrarmos que esta Runa está associada à boca, então com ela invertida podemos ter um período marcado por fome, por falta de alimentos e por dificuldade para ter acesso aos alimentos. Se, além da comida (ou podemos ter comida, mas…), faltar a palavra, este pode ser um período de repressão, um período marcado pela dificuldade para ter-se liberdade para expressar a verdade, o conhecimento e a sabedoria. Pode ser um período muito difícil para as pessoas confiarem nas palavras que são expressas por quem está no poder ou por quem apoia os que estão no poder. Será uma fase marcada pela fofoca, pela mentira, pelos interesses mesquinhos imperando sobre o bem-estar geral e pela dissimulação. As pessoas podem começar a perceber que os outros não têm mais palavra, ou seja, não falam a verdade e nem cumprem suas promessas. Poderá ser um período bem mais simples e fácil para disseminar mentiras e para criar falsas acusações. Pode ser um período bem mais fácil para fraudar dados e usar estes dados fraudados para obter o apoio das pessoas para projetos que visam apenas interesses pessoais. Será um período onde uma pessoa terá dificuldade para acreditar no outro. Ou as pessoas aprendem a ler as entrelinhas e passam a tomar providências ou as pessoas serão vítimas de armações e armadilhas vindas de quem está no poder. Ou as pessoas reaprendem a usar a sabedoria interna para separar o joio do trigo ou serão vítimas de tramas que levam a perdas, inclusive financeiras. Ansur invertida pode estar impondo uma prova duríssima para que as pessoas acordem para as suas verdadeiras vocações, para que comecem a se distanciar das distrações, para que comecem a ler a vida como ela se apresenta, para que aprendam a ouvir antes de emitir opiniões, para que comecem a entender que tipo de jogo está em andamento e cessem a sua participação. Ansur invertida pode fazer com que as pessoas percebam que estão sendo treinadas como animais amestrados, que só ganham o alimento se aprenderem a acreditar que mentira é o novo nome da verdade. Quem falar conforme os mentirosos será feliz, alimentado e alienado e quem falar conforme o coração pode ter dificuldade para continuar vivo ou torna-se um pária, um marginal, alguém que atuará fora das leis ditadas. O conhecimento e a sabedoria que serão passados para as pessoas serão propositalmente limitados, assim como serão limitados os acessos a tudo aquilo que não é aceito como útil para aqueles que estão no poder. Ansur invertida pode causar uma fome imensa por conhecimento e sabedoria, o que pode gerar revoltas contra o sistema imposto, caso ele se mostre limitante e repressor. Esta Runa invertida não dá margens para diálogos ou conversas de conciliação, a não ser que haja algum interesse egoísta por trás de tudo: quanto vale o teu silêncio?

Deixando algumas coisas bem claras: a primeira parte deste texto (“Comecemos por aqui… se você quiser!”) foi escrita antes de eu tirar esta Runa, portanto não sabia qual seria a Runa até que acabei de escrever o texto. E confesso que fiquei chocado quando vi esta Runa invertida sair para a pergunta que eu havia feito, porque eu sei que ela, desta maneira, está relacionada com falsidade, engano, fraudes e ausência de diálogo, além de significar fome. Por conta disto, eu resolvi pedir uma Runa que representasse uma saída ou uma solução positiva para o mundo, caso ele se torne como Ansur invertida mostrou mais acima.

A Runa que saiu foi Eoh (ou Eh) invertida.

Eoh também é conhecida como o cavalo e representa o Mercúrio ativo, ou seja, viagens, deslocamento, movimento, mudanças bruscas e notícias. Esta é a única Runa que quando está invertida não muda de significado, dependendo das outras Runas para intensificar ou dar uma direção mais exata do seu significado. Em outras palavras, esta Runa pode significar que muitas vezes não contamos com a surpresa como um fator que define as batalhas. Esta Runa está relacionada com as Valquírias, aquelas guerreiras que nunca tiveram medo das batalhas (nunca ficavam chorando pelo leite derramado, elas partiam para a próxima fazenda e se fartavam), que iam para as batalhas sabendo que a luta delas continuaria após a morte e isto era a glória para elas: guerrear em Valhala! Portanto, esta carta mostra que não há porque esmorecer diante de Ansur invertida, pois para todo doente existe um remédio e nenhuma batalha é em vão. Não há obstáculo que não possa ser vencido quando estamos montados num cavalo poderoso e ninguém pode silenciar o grito de um guerreiro que possui honra. Todos nós temos, nas nossas mãos, o poder de mudar, todos nós somos capazes de curar o que for preciso se aprendermos a confiar em nossa energia e na união com pessoas que também aprenderam isto. Parece simples, mas é isto que está disponível e sempre esteve…

Como diria Eliza, a personagem de Audrey Hepburn em My Fair Lady: “Come on, Dover! Moving your bloomin’ arse!!”

Agora vamos celebrar este encontro dos dois gigantes do céu como se fosse o símbolo de um despertar da nossa coragem para virar o jogo ou vamos nos ajoelhar pedindo para que apareça algum salvador e nos faça recuar tudo o que já andamos até aqui?

Termino com uma frase que escutei na série Doctor Who: “Se há riscos, há esperanças!”

Partiu, 21 de dezembro de 2020!!!

PS: isto é só uma interpretação, amplie os teus horizontes e busque mais, afinal o mundo precisa de gente curiosa e que possui a mente aberta para novas possibilidades! Combinado?!

Algumas dicas de livros (mas procure mais!)

Iniciação às Runas – Lígia Amaral Lima – Ed. Nova Era (mais fácil encontrar em sebos).

Runas (Interpretação, Simbolismo e Adivinhação) – Anthony Clark e Tony Willis – Ed. Pensamento (mais fácil encontrar em sebos).

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – A Inspiração

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 06 de dezembro até 12 de dezembro de 2020)

por Marco Antonio H. de Menezes

A INSPIRAÇÃO

Esta é uma carta que mostra Shu (deus egípcio do ar seco, da luz, da perfeição, do calor e do masculino, o que mata a fome dos mortos) e Téfnis (deusa da umidade e das nuvens, da generosidade e das dádivas, a que mata a sede dos mortos e irmã/esposa de Shu) juntos. Shu traz o ar da manhã, limpo e claro como a inocência e a verdade. Todos os dias ele recebe a dádiva da luz do Sol e, sob esta luz, a verdade não fica oculta e os medos são afastados.

Esta é uma carta que traz luz, êxito, realização, cura, boa sorte, paz, concórdia, união, fraternidade e clareza. Representa a vida que nasce da união. Esta não é uma semana para estarmos ao lado de pessoas, energias e situações que representam a arrogância e que não favorecem o relacionamento harmônico entre os seres. Não é uma boa semana para lidar com pessoas, energias e situações que não favoreçam o nosso lado produtivo e criativo e nem tampouco é uma semana positiva para estarmos ao lado de tudo aquilo que favorece a perda da qualidade de vida.

Se você quer aproveitar ao máximo as boas energias desta semana, não desperdice energia com hesitações e com discursos que causam divisões e dificuldades de interação entre as pessoas. Não alimente a tristeza e desaprovação. Não alimente a discórdia e a disputa. Não alimente o desamor e o desestímulo. Não alimente a mentira e a dissimulação. Alimente atitudes que trazem vitórias e poder a todos e que tragam a certeza de realização e de concretização de projetos. Alimente atitudes que renovem a fé, o compromisso, a lealdade, a clareza de propósito, o ardor, a alegria e bem-estar não só para a tua vida, mas para todos. Inspire, nas pessoas, a confiança. Inspire, nos outros, atitudes que façam com que se tornem mais positivos, mais criativos e mais capazes de assumirem compromissos baseados na verdade. Inspire a clareza de raciocínio e a autoestima. Inspire valores mais elevados. Inspire a empatia. Inspire tudo o que ajuda as pessoas a curarem suas vidas, retirando de seus olhos as vendas e véus que as impede de ver um horizonte mais amplo e mais repleto de boas oportunidades. Perceba como as pessoas têm inspirado a tua vida até aqui e avalie até que ponto elas têm contribuído para gerar elevação e aberturas positivas para novos horizontes. Aproxime-se de tudo aquilo que realmente seja positivamente estimulante e que traga condições para obter êxito e sucesso nos teus empreendimentos.

Esta é uma semana para andar com fé e não temer o que vem pela frente.

É uma excelente semana para abrirmos mão de todas as cargas que vamos acumulando ao longo de nossa vida e que vai pesando tanto que não nos permite avançar com a devida destreza. Agora é hora de sabermos que em certos momentos é preciso decidir claramente o que é prioritário, pois nesta altura algumas situações exigem que coloquemos ordem na nossa vida, planejando com clareza cada passo, sabendo quando cada etapa pode ser executada e com quem podemos contar e até que ponto os nossos passos e os nossos planejamentos beneficiam a todos. É em momentos como estes que aprendemos a calar os nossos sentidos para o mundo exterior e aprendemos a respeitar os nossos sentidos internos para que encontremos o Sol que nos aquece e que nos guia e para que possamos inspirar os outros a fazerem o mesmo.

Se até aqui temos acumulado coisas, temos aprendido muito, temos enchido nossa sacola com conhecimentos, esta é a hora para mostrarmos que amadurecemos e estamos prontos para transformar tudo o que adquirimos em algo concreto e positivo para a nossa vida e para a dos outros. O amor, o trabalho, o sucesso, o êxito, o comando e a inspiração são atributos que poderão ser usados com clareza, tranquilidade e confiança, pois esta é uma boa semana para afastarmos, de nossas vidas, a escuridão.

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Em destaque

Tarot Egípcio para o mundo – Crepúsculo

Tarot Egípcio para o mundo 

(de 29 de novembro até 05 de dezembro 2020)

por Marco Antonio H. de Menezes

CREPÚSCULO

Esta é uma carta que mostra Kenti-Amenti (divindade egípcia guardiã da necrópolis, representada na forma de chacal, no entanto, para alguns estudiosos, Kenti-Amenti era um epípeto e uma representação de Anúbis) guiando a barca do Sol entre os cães de Anúbis que percorrerá o mundo dos sonhos e dos mortos. Vemos as pirâmides do leste que nos remetem à realidade e à luz, porém a barca mostra a viagem do espírito durante o sono, vagando (desprendido do corpo) pelas profundezas do desconhecido. Quem mergulha por estas regiões precisa ir às profundezas e enfrentar todos os perigos e todas as seduções para emergir e renascer para a luz verdadeira.

Esta carta sai justamente na semana de Lua Cheia e de eclipse penumbral da Lua e o seu significado não é dos mais agradáveis, pois ela adverte sobre os perigos que nos rondam, sobre os inimigos que se ocultam sob a sombra da adulação, sobre as traições que nos surpreendem, sobre as enfermidades que nos acometem e sobre os negócios que naufragam. O espírito pode ser tomado por confusões, por inquietações e por ilusões. Os caminhos nem sempre são claros e diretos, podendo ser necessários certos desvios de rota. Adiamentos, atrasos, impedimentos, instabilidade, inconstância, mudanças e até mesmo demora nos resultados podem ocorrer. É uma semana para sermos muito caridosos e muito pacientes. Se nós desejamos a pressa, que escolhamos outra semana, outro momento. Se nós queremos jogar com o nosso poder de sedução os resultados podem ser aquém dos esperados. A imaginação e a superstição podem trazer resultados ruins. Não é uma semana adequada para comemorarmos os sucessos e nem para lamentarmos os fracassos, pois eles podem, surpreendentemente serem revertidos. Sejamos mais comedidos e mais atentos numa semana como esta. Sejamos mais cautelosos e mais introspectivos. Sejamos mais realistas e mais observadores.

Pode ser numa semana como esta que descobrimos certas doenças, porém pode ser que sejam descobertas antes que evoluam para algo pior.

Apesar de tudo o que foi dito acima sobre esta carta, esta pode ser uma semana que serve à inspiração, à intuição, à meditação e a todos os profissionais que fazem uso destas ferramentas em seu trabalho diário. Esta é uma carta que traz a abertura entre dois reinos, entre dois mundos, portanto pode ser marcada pela espiritualidade, pela transformação interior e pela morte. Se não nos sentimos seguros e/ou hesitantes sobre as decisões a serem tomadas, que aguardemos um momento mais adequado ou tenhamos a paciência para esperar que as coisas mostrem suas verdadeiras facetas. Adiar pode ser mais positivo do que teimar. Esperar pode ser mais afortunado do que contar com a sorte de um ato impulsivo.

Se nós formos capazes de entender que tudo tem o seu tempo e que a cautela não é uma fraqueza e que nossa intuição não é para ser desprezada, talvez tenhamos uma semana sem maiores sobressaltos.

É em momentos como este que conhecemos quem realmente está pronto para apoiar-nos, com quem podemos contar. Numa semana como esta podemos saber quem estava por trás de alguns de nossos fracassos. Podemos descobrir, finalmente, fraudes, traições, erros propositais e outras situações que estavam prejudicando a nossa vida ou que poderiam trazer danos para o nosso futuro. Ou seja, esta é uma semana para aprendermos a abrir os olhos e para aprendermos a responsabilizarmo-nos por nossa vida, em lugar de delegarmos decisões importantes para outrem.

Esta carta pode parecer um tanto fatal, funesta ou ruim, mas o perigo dela está nas mãos de quem fecha os olhos e os sentidos para os avisos que a vida nos dá. Quem se cuida, quem aprende a lidar com a própria intuição e quem confia em sua espiritualidade pode ter uma semana razoavelmente tranquila. A vida, nesta semana, pode alertar, escandalosamente, que estamos numa enrascada e só restará a nós apagar um incêndio que já está em andamento ou simplesmente alertar-nos de um perigo que somente será concretizado se nós negligenciarmos os avisos.  

PS: as cartas usadas para esta leitura são do livro Tarô Egípcio, de Anádara, publicada pela Pallas Editora e Distribuidora Ltda., 12a edição, 3a reimpressão, de 2011. 

Crie um novo site no WordPress.com
Comece agora